Em atendimento à legislação eleitoral, alguns conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Museu das Culturas Indígenas promove exposições, palestras, debates e performances artísticas ao longo do mês

Publicado em: 02 Ago 2022
Museu das Culturas Indígenas

Dia Internacional dos Povos Indígenas está entre os destaques da programação com práticas e ensinamentos do povo Guarani Mbya; O espaço que funciona de terça a domingo oferece ingressos gratuitos às quintas-feiras; as reservas devem ser feitas previamente pela internet.

São Paulo, agosto de 2022 – Exposições, palestras, performance artística e debates fazem parte da programação de agosto do Museu das Culturas Indígenas (MCI), na capital paulista. Um dos destaques fica por conta da “Preparação do início do tempo novo – Ara Pyau”, que vai ocorrer no Dia Internacional dos Povos Indígenas (09/08). O espaço funciona de terça a domingo, das 09h às 18h, com entrada gratuita sempre às quintas-feiras, que também tem horário estendido até as 20h.

Instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, o MCI é gerido pela Organização Social de Cultura ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari) em parceria com o Instituto Maracá. O MCI tem como objetivo promover o diálogo intercultural, permitindo que diversos povos originários compartilhem mensagens, ideias, saberes, conhecimentos, filosofias, músicas, artes e histórias comuns à cosmovisão indígena. A seguir confira a programação do mês:

Celebração

Em 09/08, Dia Internacional dos Povos Indígenas, o MCI realizará um evento especial. Na ocasião, serão compartilhados com o público as práticas e os ensinamentos tradicionais dos Guarani Mbya, que marcam a passagem do tempo velho (Ara Ymã) para o tempo novo (Ara Pyau).

De acordo com a cosmovisão indígena, o tempo está relacionado ao ciclo da natureza (estações do ano) e, ao mesmo tempo, com a caminhada realizada pelos povos Guarani, suas mudanças físicas e espirituais. O evento, gratuito, vai das 09h às 17h. Para participar, os interessados devem se inscrever pelo e-mail contato@museudasculturasindigenas.org.br.

Palestras e debates

O “Papel da Tecnologia na Organização Social dos Povos Indígenas e de Pessoas em Movimento nas Américas” será o tema de um debate em 05/08, das 10h ao meio-dia. A proposta é abordar experiências de ativistas com o uso de tecnologias na luta de mulheres indígenas na Guatemala e no fortalecimento da defesa de direitos e dos territórios.

Os palestrantes, Andrea Isabel Ixchiú Hernández e Federico Etiene Zuvire Cruz, discutirão sobre o tema “A comunicação digital como forma de fortalecer a luta das mulheres indígenas na Guatemala”. Angela Solis levantará debate acerca de “A tecnologia que constrói e a que destrói: como trabalhadores migrantes usam a tecnologia para lutar por seus direitos frente a grandes corporações tecnológicas” e Narrira Lemos falará a respeito do “Papel da segurança digital na proteção dos povos indígenas em suas lutas pela defesa do seu território”.

Ministrada pelo cacique e professor Ubiratã Gomes, a palestra “Povos Indígenas e Educação Intercultural: Propostas Pedagógicas para a Quebra de Estereótipos” será realizada em 20/08, a partir das 10h. O objetivo é desfazer equívocos relacionados as culturas indígenas brasileiras, bem como informar quem são e como vivem algumas dessas comunidades no país – abordando, principalmente, os povos inseridos no estado de São Paulo e na capital paulista.

Durante a palestra o público será convidado a interagir por meio de perguntas e respostas sobre a temática indígena. O evento é especialmente voltado para profissionais da educação.

No dia seguinte, 21/08, Luiz Karaí, aborda a história da resistência do povo Guarani, cujo espírito de luta se depara com as dificuldades relativas à apropriação da língua portuguesa em diferentes contextos, inclusive na cidade de São Paulo. A atividade intitulada “A Resistência do Povo Guarani: História, Língua e Cultura” também contará com uma performance de dança das kunhataingue, mulheres das etnias Kaiowá e Guarani. Começa às 15h.

As vagas para as atividades, todas gratuitas, são limitadas e devem ser reservadas pelo e-mail contato@museudasculturasindigenas.org.br

Exposições

A exposição temporária coletiva “Ocupação Decoloniza – SP Terra Indígena”, espalha diferentes linguagens artísticas por todo o espaço do MCI. Com olhares descolonizais sobre os perímetros urbano, periférico e comunidades, artistas indígenas desconstroem narrativas equivocadas sobre as culturas dos povos originários.

Na mostra “Ygapó: Terra Firme”, o artista e curador Denilson Baniwa convida o público para uma imersão na floresta Amazônica por meio de experiências sensoriais. A exposição conta com produções contemporâneas, tradicionais, sonoras e visuais de músicos indígenas. Ygapó é uma metáfora da resistência indígena, que mesmo em constante ameaça externa, mantém a coletividade e o compartilhamento de saberes, por meio da dança, do canto e do fazer com as mãos.

Por fim, em “Invasão Colonial ‘Yvy Opata’ A Terra Vai Acabar” o artista Xadalu Tupã Jekupé traz, com sua estética na arte urbana contemporânea, a demarcação dos deslocamentos territoriais com múltiplas linguagens e o território identitário indígena ameaçado pela sociedade ocidental. Sua obra denuncia como que os territórios originários em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, estão sendo engolidos pelo cimento da cidade, que devora terras e vidas. A emergência e a necessidade de visibilidade da diáspora Guarani é uma denúncia da população indígena, expulsa pela expansão da especulação imobiliária e invisibilizada no contexto urbano.

Os ingressos para as exposições devem ser reservados previamente pelo site.

Performance artística

Edivan Fulni-ô, cantor, compositor, ator, fotógrafo, performer e ativista indígena da etnia Fulni-ô de Pernambuco, apresentará em 13/08 o trabalho que vem desenvolvendo no campo da moda e das artes do corpo. A performance está marcada para as 15h, dentro da exposição “Ygapó – Terra Firme”.

Seja na fotografia, por meio de performances ou qualquer outra linguagem artística, Edivan busca dialogar com a cosmopolítica dos povos originários, promovendo a quebra dos estereótipos criados sobre a figura do indígena. Na música, seu mais recente trabalho é o EP “Segura Minha Mão”, fruto de campanha de financiamento colaborativo e realizado de maneira coletiva e independente na Casa Amarela de Cultura Coletiva.

Os ingressos para conferir o evento podem ser agendados no site.

SERVIÇO

Museu das Culturas Indígenas
Funcionamento: De terça a domingo, das 9h às 18h; às quintas-feiras até às 20h; fechado às segundas-feiras (exceto feriados)
Ingressos: R$15,00 (inteiro) e R$7,50 (meia entrada); gratuito às quintas-feiras
Agendamentos: https://bileto.sympla.com.br/event/74784/d/149212.
Local: Museu das Culturas Indígenas (R. Dona Germaine Burchard, 451 – Água Branca, São Paulo/SP)
Informações: (11) 3873-1541
Site: www.museudasculturasindigenas.org.br

Redes Sociais:
Instagram
Facebook
Twitter
YouTube

A gratuidade no Museu é estendida para os seguintes grupos:

  • Indígenas;
  • Crianças até 7 anos (mediante apresentação de documento comprobatório);
  • Grupos de escolas públicas e de instituições sociais sem finalidades lucrativas que atuam com pessoas com deficiência e/ou em situação de vulnerabilidade social; profissionais da educação de escolas públicas e funcionários da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, com apresentação do holerite do mês corrente ou anterior (impresso ou digital);
  • Policiais militares, civis e da Polícia técnico-científica da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, com apresentação do holerite do mês corrente ou anterior (impresso ou digital);
  • Profissionais dos Museus Estaduais e da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, mediante apresentação do crachá;
  • Guias de turismo credenciados;
  • Profissionais filiados ao ICOM, mediante apresentação de carteirinha.
  • Gratuidade estendida ao cônjuge ou companheiro(a), filhos e menores tutelados ou sob guarda que os acompanharem na visita.

A meia-entrada é destinada para:

Estudantes; Jovens de baixa renda, com idade de 15 a 29 anos, mediante apresentação do ID Jovem; Pessoas com idade a partir de 60 anos; Aposentados; Pessoas com deficiência (meia-entrada estendida a 1 acompanhante).

Sobre o MCI

O Museu das Culturas Indígenas é uma instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo gerida pela ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari) – Organização Social de Cultura em parceria com o Instituto Maracá, associação sem fins lucrativos que tem como finalidade a proteção, difusão e valorização do patrimônio cultural indígena. O MCI apresenta uma proposta inovadora de gestão compartilhada a ser construída ao longo da experiência, com o fortalecimento do protagonismo indígena. É em espaço de diálogo intercultural, pluralidade, encontros entre povos indígenas e não-indígenas, onde a memória da ancestralidade permitirá aos diversos povos originários compartilharem suas mensagens, ideias, saberes, conhecimentos, filosofias, músicas, artes e histórias. Uma conquista dos povos indígenas, ainda em processo de construção, neste território na cidade, aberto para que o público entre em contato com sua própria história, e com outras histórias do Brasil.

IMPRENSA

SECRETARIA DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO

Assessoria de Imprensa
(11) 3339-8116 / (11) 3339-8162
(11) 98849-5303 (plantão)
imprensaculturasp@sp.gov.br

AGÊNCIA GALO

Assessoria de Imprensa – ACAM Portinari
www.agenciagalo.com
contato@agenciagalo.com

Tales Rocha
(11) 98870-1089
tales.rocha@agenciagalo.com

Mariana Nepomuceno
(11) 97152-4834
mariana.nepomuceno@agenciagalo.com

Thiago Reboucas
(11) 98562-3094
thiago.reboucas@agenciagalo.com