Em atendimento à legislação eleitoral, alguns conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Três mulheres foram agraciadas com a Medalha de Mérito Museológico 2021

Publicado em: 10 Dez 2021
SISEM-SP

Conforme a Resolução SC nº 38, de 28 de outubro de 2021, as agraciadas com a Medalha de Mérito Museológico “Waldisa Rússio Camargo Guarnieri” no fim do ano passado foram Maria Cristina de Oliveira Bruno, Ana Mae Barbosa e Sônia Guarita do Amaral (in memoriam). A honraria foi concedida às profissionais por suas notórias contribuições à museologia paulista.

A entrega aconteceu em 13 de dezembro, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, durante a cerimônia do 11º Prêmio Governo do Estado de São Paulo para as Artes de 2020.

Criada por meio do Decreto nº 63.614/2018, a distinção homenageia uma das principais pensadoras e articuladoras da museologia no território paulista, falecida em 1990.

A concessão da medalha cumpre a necessidade da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do estado de São Paulo de reconhecer publicamente o trabalho de profissionais que atuaram para o fortalecimento dos museus paulistas.

A medalha é entregue todos os anos, por indicação da Comissão Consultiva do Encontro Paulista de Museus (EPM), a profissionais que contribuíram para a preservação e valorização do patrimônio museológico por meio do exercício profissional, da produção acadêmica ou da difusão das instituições museológicas.

Os homenageados são indicados pelos membros do Conselho Consultivo do EPM para apreciação e deliberação do Conselho de Orientação do SISEM-SP (COSISEM) e referendo do secretário da Cultura. Até o presente momento receberam a honraria o Prof. Ulpiano Bezerra de Meneses (2018) e Julio Abe Wakahara (2019).

As homenageadas

Maria Cristina de Oliveira Bruno

Museóloga com um longo percurso acadêmico, a amplitude de seu trabalho acadêmico vai das especificidades da interrelação entre patrimônio material e musealização da arqueologia à busca de compreensão do pensamento museológico contemporâneo. Atualmente, é professora da Universidade de São Paulo, vinculada ao Museu de Arqueologia e Etnografia, e membro do ICOM, tendo contribuído decisivamente na formação de vários profissionais de museus no Estado de São Paulo por conta de sua atuação para a criação do CEMMAE-USP, curso de especialização em museologia do MAE-USP e, posteriormente, do PPGMUS-USP, Programa de Pós-graduação em Museologia da USP, do qual assumiu primeiramente a coordenação, sendo reconduzida depois, permanecendo hoje como atual coordenadora do programa.

Ana Mae Barbosa

Arte-educadora e pensadora da Educação, Ana Mae Barbosa viu nas artes a possibilidade de transformar realidades. Ex-aluna de Paulo Freire, ela pôde desenvolver um método de ensinar conhecido por “Abordagem Triangular”, que tem por objetivo a contextualização da história, a apropriação do fazer artístico e a apreciação da obra de arte.

Assim, foi capaz de desmistificar a ideia de que a arte é algo apenas das elites, abrindo a possibilidade para o aprendizado a partir dela permitindo o desenvolvimento do pensamento crítico e formação de agentes de transformação social. Professora da Universidade de São Paulo, seu trabalho é hoje referenciado para além das fronteiras brasileiras, transladando-se para a América Latina e para o mundo.

Sônia Guarita do Amaral (in memoriam)

Presidente do Conselho de Administração do Instituto Bardi/Casa de Vidro, Sônia teve uma participação muito importante na formação do Sistema Estadual de Museus de São Paulo, posteriormente renomeado como SISEM-SP, a partir de sua atuação na Comissão de Dinamização de Museus, criada em 1980.

Sempre atuou em prol dos museus: seja na elaboração de políticas públicas, seja na contribuição à gestão de instituições de preservação de memória como em sua atuação recente no Instituto Bardi/Casa de Vidro.

Em seu livro “O Brasil como Império”, ela buscou compreender as relações entre política, sociedade e as artes no período monárquico brasileiro, o que resume sua compreensão acerca do papel do estado e das instituições na promoção da arte, e que fecha seu percurso profissional desde o Sistema Estadual de Museus de São Paulo até a Casa de Vidro.

Seu falecimento ocorreu em 16 de agosto de 2019. Um ano antes, por ocasião das comemorações dos 30 anos do SISEM-SP, ela havia prestado um depoimento falando de seu trabalho. Sua fala pode ser conferida no vídeo comemorativo aos 30 anos do SISEM-SP.

Fonte: SISEM-SP