Ir para o conteúdo

Edição 161 | Ano 14 | Janeiro 2024

Museus promovem programação especial de férias

Por meio do projeto “Férias no Museu”, neste mês de janeiro, o público tem acesso a diversas atividades educativas e culturais.

Durante todo o mês, o Museu Casa de Portinari promove diversos jogos e brincadeiras com o “Férias no Museu Brincandinho”. E não para por aí, nos próximos dias acontecem várias oficinas, além de muita diversão com o Tio Pita. Anote na agenda! Já no Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro, um dos destaques da programação é a oficina “A arte dos Vitrais”, sem utilizar vidro. E, no dia 28, acontece o Show “De Viola e Rabeca”. Jogo da memória musical, oficinas e contos completam a programação.

No Museu Índia Vanuíre, o público pode conferir uma programação voltada à interação cultural e histórica tendo como foco os povos indígenas. Confira os detalhes! E, no Museu das Cultura Indígenas, o projeto “Férias na TAVA” promove uma série de atividades, como jogos educativos, brincadeiras indígenas e oficinas, voltadas ao compartilhamento de experiências em famílias plurais.

Exposição virtual sobre o centenário da obra “Baile na Roça”

Está disponível, no site do Museu Casa de Portinari, uma visita virtual à obra “Baile na Roça”, uma das mais importantes de Portinari e que em 2024 completa 100 anos. Ao acessar “Centenário ‘Baile na Roça’: um Hino à Dança da Vida”, os internautas podem descobrir detalhes do quadro, pintado em óleo sobre tela, e informações importantes sobre o contexto de realização da peça.

Produzida durante o período de estudos de Portinari na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, “Baile na Roça” é a primeira tela em que o pintor retrata uma cena tipicamente brasileira. O baile retratado remete à tradição do interior paulista no começo do século XX, em que as pessoas se reuniam para dançar ao som dos sanfoneiros.

Conheça os mundos imaginários de Rosângela Vig

Museu Felícia Leirner convida o público a conhecer a mostra “Chegando aos Mundos Imaginários”, disponível gratuitamente em seu site. A seleção de seis trabalhos de Rosângela Vig destaca o tema dos balões, uso da tridimensionalidade, entre outros aspectos que potencializam o voo por meio da imaginação.

Com obras premiadas e expostas em diversos países, a poética da artista se traduz em conduzir o observador a cantos escondidos da imaginação. Seu trabalho com efeitos de luz e de sombras permite que o olhar se distraia com os barcos que voam conectados a balões que parecem se destacar da tela, como se pertencessem a outros mundos, em um efeito tridimensional. Acesse!

Iniciativa com foco em história oral é destaque no site

O projeto “A voz da Memória”, que dá visibilidade às histórias de vida das pessoas de Tupã e região, ganha mais um personagem, que o público já pode conhecer no site do Museu Índia Vanuíre. Luiz da Silva, de 71 anos, relata episódios de sua vida, das origens no então distrito de Arco-Íris (que se tornou município em 1993) e aos 22 anos dedicados ao trabalho no Solar Luiz de Sousa Leão.

Agricultor e pecuarista, Luiz de Sousa Leão foi um dos pioneiros do município de Tupã e o Solar que recebe seu nome foi tombado por sua importância cultural pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT). Confira o depoimento do senhor Luiz da Silva, que fala um pouco de suas memórias e da importância do local para a história do município de Tupã.

Descubra o mundo pela perspectiva do povo Guarani

Com autoria coletiva de Sandra Benites, Márcio Vera Mirim, Sônia Ara Mirim e Tamikuã Txihi, a nova exposição do Museu das Culturas Indígenas é um convite à descoberta da cultura Guarani. “Hendu Porã’rã, escutar com o corpo” tem foco na cultura e modo de viver do povo Guarani.

mostra apresenta o modo de ser Guarani, com um caminho de cantos e rezas, saberes da erva-mate e do fumo. Apresenta sua relação com os alimentos, a dança, a luta, os sonhos, a compreensão do tempo e o sentido filosófico da palavra Guarani. A expressão “Hendu Porã’rã” é usada pelo povo Guarani para descrever o ato de “escutar com o corpo”. Visite, a mostra está imperdível!